Cooperativismo Catarinense

SOJA

COOCAM 
Conforme Rally da Safra 2021, média de produtividade de soja aumentou em Santa Catarina

Com recorde triplo, safra de verão no Brasil, será positiva apesar da irregularidade climática

No dia 06 de abril, o coordenador do Rally da Safra, André Debastiani – camponovense e associado da Coocam, apresentou os resultados da Safra de Soja 2020/21, em live no Canal do projeto, no YouTube. Nos últimos 4 meses, 18 equipes de profissionais da Agroconsult – empresa idealizadora do projeto, colheram amostras em cerca de 1.000 propriedades rurais de 455 municípios de 9 estados do Brasil. Foram mais de 42 mil quilômetros percorridos.
Com o trabalho à campo, informações técnicas e dos produtores, o Rally da Safra fez uma radiografia das lavouras de soja no país, apresentando as características mais relevantes, como o volume de produção, as questões que acorrem no campo e refletem diretamente no mercado, entre outras informações.
André ressalta que devido a pandemia do coronavírus, as visitas presenciais ficaram focadas nas pesquisas de campo, sem interação presencial com os produtores rurais. Para compensar esse distanciamento físico, a equipe do Rally da Safra realizou uma série de reuniões on-line com os produtores e, nestes encontros virtuais, puderam saber mais sobre os desafios desde o plantio, o desenvolvimento, até a colheita. 

“Ao todo coletamos 1092 amostras em lavouras de soja, com informações de população de planta, grãos por planta, estádio de desenvolvimento, peso de grãos e umidade, além de incidência de pragas e doenças, entre tantos outros dados”

, comenta André Debastiani.

Santa Catarina
De acordo com os números do Rally da Safra, o estado de Santa Catarina aumentará a produtividade, comparando a safra 2019/20 – média de 58,9 sacas por hectare (s/ha) para 62,1 s/ha, apesar dos prejuízos com o mofo branco, por exemplo – um grande problema na maioria das lavouras do Sul do Brasil. As irregularidades climáticas causaram prejuízos nas lavouras precoces.

Mato Grosso
Na região Centro Oeste – especificamente o Mato Grosso – onde a Coocam tem a filial com a maior área de produção de soja, foi o estado com mais áreas analisadas. A equipe Rally da Safra destaca três tópicos que contribuíram com os números obtidos neste ano naquela região: plantio em tempo recorde; peso de grãos considerados bons, porém inferior à última safra – que teve produtividade recorde – e o excesso de chuva entre fevereiro e março. No Mato Grosso a média de produtividade desta safra ficou em 57,9 s/ha, abaixo da última safra que foi de 60 s/ha. Como houve um incremento de mais de 350 mil hectares área plantada, a expectativa é de se manter a produção, cerca de 36 milhões de toneladas de soja no estado.

Rio Grande do Sul
Com chuvas no limite, as lavouras do estado gaúcho devem elevar a produtividade de soja no Brasil. Apesar da média produtiva ter passando de 37,1 s/ha para 57,9 s/ha da última safra para essa, houve atrasos no plantio e outras adversidades que desfavoreceram os sojicultores do Rio Grande do Sul.  Se os números captados pelo Rally da Safra se mantiverem, o Rio Grande do Sul assume o 2º lugar como maior produtor do Brasil. O estado ainda está em fase de colheita.

Recorde triplo
A irregularidade climática é a principal característica da safra 2020/21 no Brasil.

“Mesmo os estados que bateram recorde na produtividade, sofreram em algum momento, seja no clima seco no plantio ou excesso de chuva na colheita”

, comenta Debastiani. No entanto, a safra 2020/21 terá recorde de área plantada, produção e produtividade, pelas indicações do Rally da Safra 2021.

A estimativa de produtividade no Brasil é de 59,3 s/ha, 2,3 sacas a mais que o ano passado e 0,8 s/ha acima do recorde anterior, em 2017/18.  Já a produção aumentou 8,5%, cerca de 10 milhões de toneladas, com relação a última safra. A safra recorde 2020/21 é de 137,1 milhões de toneladas.  A área de soja no Brasil deverá ser de 38,6 milhões de hectares, 1,6 milhão de hectares acima da safra anterior, crescimento de mais de 4%.

Desafios
Apesar das dificuldades, houve também muitos aprendizados. Um deles foi a importância do manejo adequado do solo, tanto por meio da construção do perfil de solo quanto da manutenção de cobertura.

“Foi uma safra muito difícil não só para o produtor, que perdeu o sono em alguns momentos com a falta de chuva e em outros com o excesso de umidade, mas também para nós que trabalhamos com estimativas de safra. Os dados de campo desse ano foram fundamentais para que pudéssemos chegar no resultado dessa estimativa de 137,1 milhões de toneladas”

, finaliza André Debastiani.

Fonte: Comunicação Coocam

Leia as belas ações do Cooperativismo Catarinense!

Assine nossa newsletter!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.