Cooperativismo Catarinense

SURPREENDENTE CRESCIMENTO

DIA INTERNACIONAL DO COOPERATIVISMO:
03 DE JULHO DE 2021

Apesar da pandemia, cooperativas de SC têm surpreendente crescimento

O Dia Internacional do Cooperativismo é comemorado há 99 anos em todos os continentes no primeiro sábado do mês de julho (neste ano, em 03 de julho). Santa Catarina tem sólidos motivos para comemorar essa data. Com receita operacional bruta de R$ 49,8 bilhões, as cooperativas de todos os ramos deram importante contribuição ao desenvolvimento catarinense em 2020. O crescimento foi da ordem de 23,3% – o maior das últimas décadas – e o agronegócio foi mais uma vez a locomotiva na geração de empregos, renda e na produção de riquezas.

A avaliação é da Organização das Cooperativas do Estado de Santa Catarina (OCESC). O levantamento abrangeu as 251 cooperativas registradas na entidade.
O presidente Luiz Vicente Suzin destaca que um dos dados mais relevantes do estudo é a expansão do número de associados (cooperados) que cresceu 11,6% no ano passado com o ingresso de mais 313.023 pessoas. No conjunto, as cooperativas reúnem agora mais de 3 milhões de catarinenses, ou, em números exatos 3.021.094 pessoas. Isso significa que mais da metade da população barriga-verde está vinculada ao sistema.

As que mais atraíram associados foram as cooperativas de crédito que têm atualmente 2,2 milhões de cooperados, as de infraestrutura que atuam em distribuição de energia elétrica (383 mil pessoas), as de consumo (320 mil) e as agropecuárias (73,5 mil).

As cooperativas também contrataram 8,2% mais em 2020 e criaram 5.546 novos postos de trabalho. Juntas, elas mantêm 73.332 empregados diretos.
O protagonismo do setor primário ancorou o expressivo desempenho: as 46 cooperativas agropecuárias responderam por 69,2% das receitas totais do sistema cooperativista catarinense e cresceram 34% no ano passado. Faturaram R$ 34,4 bilhões e contrataram 4.950 novos trabalhadores.

Esse resultado foi impulsionado pelas exportações de carnes e grãos, com extraordinário crescimento em receitas e em volumes. As fortes compras chinesas de proteínas animal e vegetal no mercado mundial catapultaram as vendas das cooperativas, potencializadas, ainda, pela situação cambial: o dólar valorizado frente ao real ampliou os ganhos pelo câmbio e valorizou ainda mais os produtos de exportação. A China, sozinha, ficou com cerca de 40% das exportações.

O dirigente expôs que

“as dificuldades não impediram os investimentos na base produtiva, na diversificação de produtos e serviços e na qualificação de colaboradores, dirigentes e associados”.

Os novos padrões de conduta nas organizações, ditados pelo enfrentamento da pandemia, estimularam ainda mais a racionalização da gestão, a otimização dos processos e a elevação do grau de excelência em produtos e serviços, ampliando a presença no mercado.

“Em um ano em que a pandemia assolou quase todos os setores e a economia brasileira andou em marcha lenta, as cooperativas catarinenses cresceram porque adaptaram suas atividades e seus processos produtivos aos desafios impostos pela crise econômica”

, observa Suzin.

RESULTADOS
Refletindo o excelente desempenho do período, as cooperativas contabilizaram sobras (lucros) no montante de R$ 4,4 bilhões em 2020. Esse resultado é 92% superior ao obtido no exercício anterior. Os ramos com melhores resultados foram o agropecuário (R$ 2,7 bilhões), crédito (R$ 1,09 bilhão) e saúde (R$ 393 milhões). O patrimônio líquido também aumentou (22,1%) para R$ 19,7 bilhões. Os estatutos das cooperativas definem, em regra, que cerca de 60% dos resultados são capitalizados e 40% devolvidos aos cooperados.


As 46 cooperativas agropecuárias responderam por 69,2% das receitas totais do sistema cooperativista (Crédito: Wenderson Araujo – Trilux/CNA).

RAMOS EM EXPANSÃO
O movimento econômico mais expressivo foi gerado pelas cooperativas dos ramos agropecuário, crédito, saúde, consumo, infraestrutura e transporte.
As 46 cooperativas agropecuárias representam 69,2% do movimento econômico de todo o sistema cooperativista catarinense. No conjunto, essas cooperativas mantêm um quadro social de 73.539 cooperados e um quadro funcional de 48.287 empregados. O faturamento anual do ramo agropecuário totalizou R$ 34,4 bilhões.

O ramo de crédito apresenta o maior número de associados e a segunda posição em movimento econômico. As 62 cooperativas de crédito reúnem 2,2 milhões de cooperados, mantêm 11.232 empregados e movimentaram R$ 6,4 bilhões no último ano.

O ramo de saúde, com 31 cooperativas e 17.280 associados, faturou R$ 5,072 bilhões. Emprega 7.612 pessoas.
O ramo de transporte, formado por 44 cooperativas, teve R$ 1,2 bilhão de movimento, beneficiando 5.324 cooperados.

No ramo de infraestrutura atuam 39 cooperativas de eletrificação rural com 383.302 associados. Em 2020, essas cooperativas faturaram R$ 1,3 bilhão. Elas mantêm um quadro funcional de 1.995 colaboradores.
As 16 sociedades cooperativas que atuam no ramo de consumo com 320.455 associados, faturaram R$ 1,2 bilhão no ano passado. Sustentam 3.423 empregos diretos.

Os ramos de trabalho, produção de bens e serviços, mesmo com menor expressão econômica, são instrumentos para a promoção de renda às pessoas físicas, que organizadas na forma de cooperativas prestam serviços especializados aos mais diversos segmentos da sociedade. São 13 cooperativas formadas por 1.563 cooperados que, em 2020, geraram R$ 28,4 milhões em receitas.

QUALIFICAÇÃO
O Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo em Santa Catarina (SESCOOP/SC), entidade do Sistema S vinculada à OCESC, promoveu em 2020 uma robusta programação de capacitação e qualificação profissional que beneficiou 118.448 pessoas, entre dirigentes, cooperados e empregados das cooperativas. As principais linhas de atuação foram as atividades delegadas (112.583 participantes), o auxílio-educação (3.691) e o programa aprendiz cooperativo (2.174). Os investimentos totalizaram R$ 16,9 milhões, no ano.

Fonte: MB Comunicação

Leia as belas ações do Cooperativismo Catarinense!

Assine nossa newsletter!